top of page
  • Ingrid Miranda

A eterna sensação de culpa

Ao morar sozinha criamos, também, um espaço de maior compreensão - ou questionamento - de nós mesmos. Ultimamente uma das minhas análises mais intensas sobre minha vida e minha existência tem sido o meu sentimento de culpa. Culpa de tudo, constantemente.


Eu já tinha ouvido falar que 'ser mãe' é se sentir eternamente culpada. Sempre buscar por ser perfeita, ou por ajudar mais, ou sei lá o que e, no fim das contas, a realização de que isso não é possível acaba regenerando o sentimento que parece ser eterno. Mas, eu não sou mãe, eu ainda não tive essa experiência tão profunda e tão intensa com outro ser humano, nem tampouco sinto que estou pronta para isso. Então, de onde vem essa sensação de estar falhando em algo?


A resposta que me vem à mente é que, tal sensação de culpa, é criada dentro de mim mesma. Ou seja, em outras palavras, eu sou culpada pela minha própria sensação de culpa - se é que isso faz sentido. Louco isso, não? Se for verdade, por que será que estou torturando à mim mesma com essa sentimento de incapacidade, de não estar na minha melhor versão?


Acho que muitos de vocês podem se identificar com a palavra 'exigência'. Estamos, muitas vezes, procurando por excelência em quase tudo o que fazemos. Estamos colocando limites e prazos nas nossas vidas sem antes analizar se eles são, de fato, coerentes e tangíveis. Estamos buscando uma vida perfeita, seja por conta das redes sociais, seja por conta de sermos de uma geração que acredita que TUDO PODE É POSSÍVEL, e, se tudo é de fato possível, POR QUE NÃO ESTAMOS ONDE SEMPRE SONHAMOS ESTAR? Por que não temos o emprego perfeito, ou o relacionamento perfeito, ou por que não estou fazendo as viagens perfeitas que vejo todos os meus amigos postarem sobre?


A resposta é simples: porque buscamos sonhos, mas não buscamos realizá-los. Não sabemos fazer, não sabemos começar do zero. Desejamos ser uma juíza da suprema corte, mas não queremos começar a trabalhar em um escritório de advocacia pequeno só porque o salário não é bom o suficiente - ou porque você não acha que, estando ali, vai te ajudar a realizar seu sonho de carreira. Desejamos ser uma atriz de sucesso, mas temos vergonha de nos apresentar em pequenos grupos de teatro porque não têm a mesma imponência que a Globo. Queremos morar na praia e ter uma vida tranquila, perto do mar e virar surfista, mas não gostamos de água gelada, não queremos areia na nossa casa, não gostamos de lugares sem wi-fi ou luz elétrica, ou um shopping mall.


Somos sempre sonhadores, e isso é bom. Muito bom, aliás. Porque, sem sonhos, não saímos do lugares nem buscamos nosso melhor. Mas é preciso arriscar. É preciso acordar de vez em quando e visualizar que colocar a mão na massa é muito necessário também!


Eu, por exemplo, sempre quis ser escritora. Sempre falava que escreveria meu primeiro romance quando eu tivesse 18 anos, e eu sempre me imaginava chegando aos 30 com um baita currículo, famosa com meus vários livros, preste a assinar um contrato com Hollywood para eles fazer um filme do meu livro. Massa isso né? Mas o meu problema não foi sonhar alto demais: foi não ter me organizado e começado a escrever meu primeiro capítulo. O erro foi pensar 'ainda não tenho o computador dos meus sonhos, ainda não tenho o tempo - ou a rotina - que preciso, ainda não tenho...' quando, na verdade, o que eu não tive foi INICIATIVA. Bom, decidi mudar isso, agora, aos meus 25 anos. Não estou atrasada, nem perdida. Foi preciso todo esse tempo para que eu amadurecesse e aquela visão de vida perfeita caísse por terra, e perceber que a tal 'vida perfeita' é criada por mim mesma.


E você, qual o seu sonho? O que você queria ser, ou fazer, e que ainda não tomou a iniciativa para isso? O que está te prendendo de fazer acontecer?


Aprendi recentemente que 'feito é melhor do que perfeito' então desafio você a começar hoje a se planejar. A criar uma agenda e, a cada dia, fazer um pouquinho do que pode te ajudar a chegar até lá. Você quer abrir uma loja? Comece pesquisando sobre seu público, sobre seu produtos, ou quem será seu contador - ou os impostos que você tera que pagar para abrir sua empresa, por exemplo.

São as coisas que não fazem parte da nossa idealização perfeita que, na verdade, são essenciais para que seu sonho se torne realidade!

Hoje em dia eu tenho diferentes sonhos, o que me faz questionar se 'meu caminho vai ser mais difícil do que se eu tivesse apenas um sonho?'. Ainda não sei a resposta, mas estou bem com a sensação de ser mais consciente sobre meus primeiros passos e como devo fazer para tirar as ideias do papel e fazê-las realidade. Um dia de cada vez e, em pouco tempo, tenho certeza que terei a certeza de ter avançado bastante e, talvez, meu sentimento de culpa por 'ainda não ser quem eu quero ser' diminua proporcionalmente. Ou, um pouco ao menos. A sensação de estar fazer o meu possível me ajuda a me julgar menos, e a deixar que os julgamentos externos me abalem ou me desmotivem. Só eu mesma sou responsável por tornar os meus sonhos realidade!

bottom of page